Ginkgo Biloba (Folha)

2.4011.00

Origem: China

Nome Científico: Ginkgo biloba

Características:  Indicado em caso de perda de memória, isquemia cerebral ou periférica e sobretudo em dificuldades de concentração. Ajuda a resolver casos de vertigens e a evitar AVC´s.

Aumenta a tolerância à hipoxia, com especial relevância no tecido cerebral, redução do edema pós-traumático cerebral, redução de lesões ou edema a nível da retina, efeito neuroprotetor, através da inibição do Fator de Ativação Plaquetária (PAF), atividade anti-radicais livres, aumenta a capacidade cognitiva e ajuda na compensação de problemas relacionados com o equilíbrio, ao actuar na microcirculação, Tem uma acção positiva a nível das propriedades reológicas do sangue, inibição da redução dos colinoreceptores e adrenoreceptores muscarínicos e estimulação da recaptação de colina no hipocampo.

Limpar
REF: INF053 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

História: Datado de há cerca  de milhões de anos, o ginkgo já existe há séculos, mas sobreviveu nos jardins dos templos do oriente, sendo originaria da China. Uma planta conífera caduca com formas masculino e feminino separadas, esta árvore apareceu na Europa em 1730 e tornou-se uma planta ornamental muito utilizada. Foi considerada por Charles Darwin como um dos últimos “fosseis vivos”Existem exemplares com idade superior a mil anos. Trata-se da mais venerada das relíquias dos períodos Triásico e do Jurássico, quando a família das Ginkgoaceae cobria todo o planeta.

Foi descrita , pela primeira vez, em 1690, pelo médico e naturalista alemão Engelbert Kaelmpter (1651-1716)

Foi objecto de interesse após a Segunda Guerra Mundial, quando se observou ser a única planta a resistir à radioactividade provocada pelo deflagrar da bomba atómica em Hiroxima e a produzir rebentos.

Constituintes e  Propriedades: Indicado em caso de perda de memória, isquemia cerebral ou periférica e sobretudo em dificuldades de concentração. Ajuda a resolver casos de vertigens e a evitar AVC´s.

Tem uma ação preventiva e curativa contra as agressões endógenas e exógenas, tais como fenómeno de oxidação devido à presença de radicais livres; acção anti-inflamatória e de prevenção do envelhecimento. Estimula a circulação sanguínea, actuando na circulação arterial, venosa e capilar, agindo na insuficiência vascular periférica. É protetor da barreira hematoencefálica. Também diminui a hiperagregação plaquetária, actuando em processos trombóticos; diminui a agregabilidade das hemácias e tem ainda uma acção protetora contra a lise de eritrócitos. Regulariza a permelabilidade capilar, age inibindo a hiperpermeabilidade mediada pela bradicinina e histamina. A nível cerebral permite a diminuição das desordens da memória, distúrbios de atenção, diminuição da capacidade auditiva, casos de vertigens, preservando por mais tempo autonomia e a qualidade de vida, e também previne o edema cerebral. Desta maneira, o seu uso é indicado no tratamento de micro varizes, úlceras varicosas, artrite dos membros inferiores; tratamento de toda a isquemia seja cerebral ou periférica; utilizado em vertigens, deficiências auditivas, perda de memória e dificuldade de concentração; e em tratamento nos processos vasculares degenerativos. Pela sua acção protectora contra os radicais livres e pela inibição da destruição do colágeno, é utilizado também no tratamento profilático do envelhecimento celular e tratamento estético.

Precauções: A ingestão desta planta está contra-indicado, em doentes submetidos a terapêutica com antiagregantes plaquetários, cumarínicos ou outros agentes farmacológicos que interfiram na coagulação sanguínea (aspirina ou a heparina), anti-inflamatórios (Ibuprofeno, Voltaren ou o naproxeno), com antidepressivos tricíclicos e com  anticonvulsivantes e em situações clínicas que cursem com taquicardia e hipertensão arterial, grávidas e lactantes.

Utilização/Infusão: 4 colheres de chá num 1L de água fervida durante 10 a 15 minutos.

Bibliografia: ODY, Penelope. “O Guia Completo das Plantas Medicinais” Livraria Civilização Editora, Porto, 2000

LIMA, Joaquim J. Figueiredo. “Plantas Medicinais e Medicina Convencional”. Chiado Editora, 2016

https://eg.uc.pt/bitstream/10316/32197/1/Monografia%20Joana%20Pereira.pdf

http://florien.com.br/wp-content/uploads/2016/06/GINKGO-BILOBA.pdf

Informação adicional

Peso N/A